domingo, 14 de Janeiro de 2007

Um feto com 10 semanas é uma Vida Humana

Porque razão se colocou o limite das 10 semanas?
Qual é a diferença entre um feto de 10 semanas e de um feto de 10 semanas e um dia?

“O desenvolvimento humano é um processo contínuo que se inicia quando um ovócito é fertilizado por um espermatozóide” (Embriologia Clínica, Moore e Persand). É neste instante em que se forma o ovo, a primeira célula de um ser humano. Esta célula, também denominada zigoto, contém já nos seus quarenta e seis cromossomas toda a informação genética de um ser do sexo feminino ou masculino. Este momento é determinante para a mãe, pois sofre um conjunto de transformações no seu corpo para que seja possível o desenvolvimento do novo ser.

“Abortar por opção sabendo que já bate um coração?”
É verdade! E para aqueles que precisam de argumentos científicos, a ciência mostra que às 10 semanas, o pequeno ser já apresenta um desenvolvimento espantoso. Nas primeiras 9 semanas, todas as características do corpo humano - membros, nervos, órgãos e músculos - já estão traçados. Só necessitam de mais tempo para se desenvolverem. Senão, vejamos algumas etapas do desenvolvimento do novo ser:

Na 3ª semana inicia-se a formação do sistema nervoso, nomeadamente do cérebro e da espinal-medula (ainda sem qualquer protecção) e do coração, que sendo do tamanho de uma semente de papoila, começa a bater.

Na 4ª semana, surge a abertura da boca e começam-se a formar os membros, braços e pernas, os olhos e os ouvidos internos.

Na 5ª semana estão presentes as primeiras estruturas cerebrais. Possui esboços bem definidos do coração, do aparelho respiratório e do aparelho digestivo iniciando-se a formação do aparelho reprodutor.

Na 7ª semana, o bebé já possui 500 milhões de células cerebrais e os seus lábios são sensíveis ao toque.

Na 8ª semana, o embrião passa a chamar-se feto. Só por curiosidade, etimologicamente, a palavra “feto” é de origem latina que significa criança pequena. Por esta altura, o corpo está totalmente definido com os seus órgãos e sistemas já constituídos. O estômago produz o suco gástrico, o fígado fabrica células sanguíneas, o pâncreas cria a insulina. Já é capaz de engolir e de realizar alguns movimentos. Além disso, já são visíveis as suas impressões digitais que terá durante toda a sua vida.

Um feto, uma criança pequena, às 10 semanas relaciona-se com a sua mãe que é o seu mundo, o seu abrigo, a sua esperança; comunica com ela, reconhece a sua voz e luta pela sua sobrevivência.

Como se vê, “o tempo tudo traz” e, por isso, é necessário apenas esperar. Só esperar para que a Pessoa que se gera no ventre materno atinja o seu pleno desenvolvimento de modo que possa sobreviver num meio diferente daquele em que se encontra. É uma Pessoa com a mesma dignidade que as outras, com o mesmo direito à Vida que os outros. Toda a Vida Humana é digna, tem dignidade. Porque razão um feto de 10 semanas é menos pessoa que um feto de 10 semanas e um dia?












Ser Humano com 8 semanas

18 comentários:

Tomaz de Souza-Falcão disse...

Este é um texto demasiado bom para estar num blogue. Enche-me de alegria poder lutar pela "criança pequena" que é o bebé e pela "criança pequena" que às vezes é a Mãe. É preciso protegê-las. Obrigado pela clareza do teu texto e da imagem, porque só assim se consegue discutir de uma forma correcta, isto é, tendo todos os dados.

Inês S. disse...

Tal como o Tomaz disse, este texto esta demasiadamente Bom. Focas o tema principal e transmites a mensagem de uma forma muito objectiva. "Um feto com 10 semanas e um bebé de 1 mês têm o mesmo direito de viver !"

Luísa Ribeiro Fontes disse...

É impressionante como as coisas são tão evidentes e, em contrapartida, há tanta dificuldade em serem percebidas. Onde está o problema? É tudo tão claro.Os apoiantes dessa dita "única solução" que é o aborto dizem que essa "escolha" é uma questão individual, da liberdade e consciência de cada um. Enganam-se. Reclamar liberdade é virar-se contra si mesmo. Reclamar liberdade é dizer que não se importavam que lhe tivessem feito o mesmo.
Este texto, cujo tema é a razão por que estamos todos "aqui", ilucida todas as dúvidas que possam haver. É a prioridade!

Note-se como este mundo está mesmo ao contrário. Fechar maternidades e promover abortos(mais que apenas permitir, promover significa tmabém apoiar, incentivar e cooperar. Neste caso, significa ainda mais: pagar!).
Não consigo conceber este facto. Este e mais os quantos sabemos. São sinais de loucura e declínio extremo, mas que acredito que tenham retorno. É só querermos!
Parabéns Raquel.

João Gala disse...

O texto esta mt bom! mts parabens! neste texto vais directa ao assunto principal e ao que realmente esta em causa neste referendo: A vida de um ser humano que por mais pequeno ou menos desenvolvido que seja n deixa de ser um ser humano!

"A nossa liberdade acaba onde começa a liberdade do outro", logo a liberdade da mae acaba onde começa a liberdade do bebe e a liberdade do bebe começa por este ter o direito de viver!

Com a Vida Humana não se brinca...Viver e um direito de todos e ninguem sobre qualquer pretexto o pode tirar!!!

Nuno Cecílio, estudante da Faculdade de Motricidade Humana disse...

Eu voto sim pq o que se trata é como já alguém refiriu de uma questão de liberdade...liberdade da mulher que pelas situações que encontra na vida está decidida em interronper a gravidez, liberdade de escolha todas têm com ou sem despenalização a diferença é que com a despenalização haverá mt mt mt menos abortos clandestinos e por isso menos mulheres morrerão, ou essa vida para vcs excelências não é importante...sem falar no flagelo que é de vez em quando reportado de mulheres que carregam consigo uma gravidez de 9meses por não terem dinheiro para abortar clandestinamente e deitam os seus filhos no lixo e eu digo literalmente no lixo, ou nos rios ou nos lagos...votando NÃO, não impedem que essas mulheres desesperadas recoram a esses meios repugnates de acabar com uma vida... só votando sim podemos levar as mulheres a procurar uma solução e não me refiro ao aborto, refiro-me ao médicos que poderão e deverão, como é expresso na proposta de lei apresentada pelo PS , mostrar à mulher quais as consequencias do aborto assim como permitir que essa mulher seja aconselhada de modo a demove-la de ababar com a vida que cresce dentro de si...

Por há tb um coisa que devo esclarecer... pq as dez semanas... talvez por ser apartir desse tempo que o feto começa realmente a crescer, ou seja a ganhar volume e dentro desse limite de tempo as consequencias para a mulher serão mais reduzidas do que se passar mais umas semanas... Para finalizar o não utiliza um falso argumento, na medida em que refere, "Porque não às 10 semanas e 1 dia", essas estarão fora da lei... claro que sim, mas podemos ser relactivamente tolerantes... será que essas memas pessoas já pensaram porque a taxa crime para quem conduz sobre o efeito de alcool é 1.2 mg/dl de sangue e não é 1.199999999, ou 1.20000001...para tudo há limites, é um limite razoável??? claro que é ...já mulheres que só sabem realmente que estão grávidas mt depois das 10 semanas impostas na lei...

É importante que percebam que o não , é concordar com o que está... o sim é mudar...Vamos mudar para o bem das mulheres Portuguesas que não têm dinheiro para ir a espanha fazer um aborto LEGAL

Francisco Cruz disse...

Não estou aqui a defender nenhuma posição, até porque ainda não tenho a minha perfeitamente definida neste tema tão complexo, mas gostava de colocar uma questão à autora do texto ou a qualquer outro participante:

Partindo do princípio que de facto um feto com 8 semanas é um ser humano e que este está em igualdade de direitos com qualquer ser humano, o que acham dos casos que já estão consagrados na lei (principalmente os de violação e mal formação do feto)? E no caso das punições das mulheres em tribunal? Devem ser de facto punidas com pena de prisão por praticar um aborto?

Sei que dentro dos apoiantes do NÃO, há opiniões contraditórias em relação às questões que coloquei. Vejo muita gente que apoia o NÃO a dizer que acha que as situações previstas na lei estão correctas e também que uma mulher não deve ser levada a tribunal por aborto clandestino. Gostava que alguém com essa opinião me explicasse o que para mim parece uma falta de coerência.
Obrigado pela oportunidade de participar!

alexlegis disse...

Certa vez me perguntaram se eu era contra ou a favor do aborto nos casos de anencefalia, respondi que era contra,pois sou a favor da vida se passarmos a banalizar a vida dessa maneira o que acontecerá com os outros direitos... se não respeitarmos O direito maior de todos e o mais antigo existente antes de qualquer ordenamento. Penso que a solução dos problemas não e bem essa não.A mulher, quando opina pelo aborto, tendo em vista a sua dignidade humana, se esquece que a decisão que está tomando escapa da seara de sua vida e passa para um ser com individualidade própria, formada desde a concepção.E não é cometendo homicidio que se resolve os problemas de uma nação! já pensou como seria resolvido o problema da falta de emprego sobre o ponto de vista de uma pessoa que pensa dessa forma? A anencefalia, pelo que sei e uma patologia e como tal deve ser tratada, essa e a função dos medicos, ciêntistas e demais estudiosos dessa natureza a eliminção dessas crianças desmotivaria esses estudos e a possivel cura... Essa é a solução

Anónimo disse...

Olá Nuno Célio, o que vc acha de mandar matar a mãe irresponsavel que engravidou, já que não queria engravidar, afinal se vc é a favor de matar um ser humano que tal se matarmos a mãe assassina. Vc é um completo diot...

Juliana Alves disse...

eu sou completamente CONTRA o aborto! Se não quizesse realmente engravidar, que se cuidasse e tomasse as devidas providências; já que hoje em dia temos tantos métodos anticoncepcionais !
Estou grávida de 9 semanas.
Muito feliz por Deus ter me abençoado com a graça de ser MÃE.
As mulheres deveriam pensar assim também. Pois muitas mulheres não podem ter filhos, e gostariam muito; e as que podem estão matando eles !

denise disse...

com 10 ou11 semanas de gravidez posso saber o sexo do meu bebe

Anónimo disse...

Pois é senhores(as),é muito fácil falar dos problemas dos outros e julgar as pessoas sem conhecer a sua história.Sou casado e tenho 2 filhos,eu trabalho e ganho 1 salário mínimo,minha esposa está desempregada e a uma semana fiquemos sabendo que seriamos pais novamente.Nossos filhos são muito pequenos,não temos dinheiro e estamos com muitas dividas.
Alguém pode dizer que o problema é nosso,que tinha como nós termos evitado,e que agora nós temos que assumir as consequências.Mas repito é fácil para quem fala,díficil será criar mais um filho sem condições,sem uma boa escola,sem um lugar para morar,com uma alimentação precária,e dividindo o pouco que os outros já tem.Minha esposa está desesperada,com depressão e está seriamente pensando em abortar,é abortar,antes um ato que ela criticava e inojava.Pois é,ás vezes precisamos nos colocar no lugar do outro e conhecer a sua história antes de jogar as pedras.

fernanda disse...

INCRÍVEL!!!POR GANHAR TÃO POUCO E ESCREVER TÃO BEM,A CAPACIDADE DO COMENTARISTA ACIMA É MESMO NOTÁVEL,DEVERIA TENTAR CARREIRA NO JORNALISMO OU COMO ESCRITOR DE FICÇÃO CIENTÍFICA.EM RELAÇÃO À GESTAÇÃO ACIDENTAL,TAMBÉM ACONTECEU COMIGO,É MINHA TERCEIRA GESTAÇÃO,NÃO TRABALHO NO MOMENTO E NÃO ESTOU NUMA SITUAÇÃO MUITO CONFORTÁVEL,MAS APESAR DO SUSTO,TEREI MEU BEBê E FAREI O QUE PUDER PARA DAR-LHE UMA VIDA DIGNA.NEM UMA FOLHA CAI DE UMA ÁRVORE SEM QUE HAJA PERMISSÃO.

MÓNIA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MÓNIA disse...

é a chorar de alegria que aqui deixo a minha história, tenho 35 anos sou divorciada, tenho um filho com 6 anos, estou desempregada, vivo com os meus pais, quando desccobri que estava gravida tinha 8 semanas, entrei em panico, o pai as primeiras palavras foram "tira", a minha mãe quando lhe contar poe-me na rua, então fui ao hospital marcar o aborto, nunca me senti tão mal, eu sou completamente contra o aborto, fui tratada como mais uma, e foi então que reparei que na sala estavam imensas mulheres para fazer o mesmo, como é possivel elas agirem tão normalmente e para mim estava a ser um pesadelo, fizeram-me uma ecografia ja se ouvia o coraçãozinho do meu bebe, depois fui falar com a psicologa que mais parecia um gravador a desbobinar um discurso que decorou, depois fui falar com a assistente social que foi mas carinhosa mas nada me propos de ajuda, dizeram que por lei tinham que me dar dois dias para reflectir na minha decisão e já me marcaram o dia para o aborto e deram-me um termo de responsabilidade para assinar, posso dizer que foram os piores dias da minha vida eu só pensava como iria dar uma vida decente a este bebe e continuar a dar ao meu filho de 6 anos, sem ninguem a quem pedir ajuda sem ninguem com quem podesse contar, foi simplesmente horrivel, no dia marcado la estava eu cheguei-me a recepção e disse a menina tenho o aborto marcado para hoje estão aqui os papeis, não assinei pode rasga-los eu vou ter este bebe e deus vai-me ajudar, nada me disseram nada me proposeram, vim embora tranquila e hoje com 10 semanas e dois dias sei que fiz a melhor escolha apesar de todas as minhas dificuldades serem as mesmas, uma frase muito certa que aqui li "qual a diferença entre um feto de 10 semanas e um com dez semanas e 1 dia" não é aborto é crime.
Aproveito para pedir toda ajuda possivel, se alguem tiver coisas de bebe para dar ou ate emprestar só agradeço de coração.
Sei que o meu bebe vai ser um heroi.
Mónia Madureira

MÓNIA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Não entendo como as pessoas podem ser tão horriveis com as mulheres desse país, essa lei e os pensamentos hipócritas que as pessoas tem acabam com as chances das mulheres de ter uma vida melhor, com certeza é mais crime tirar uma criatura que não vai ter a possibilidade de ter uma boa educação, alimentação ou orientação psicologica. Crime mesmo são as crianças largadas nas ruas sendo mortas e violentadas , e as que escapam disso se tornam bandidos e com certeza vão matar outras crianças, mais isso ninguem ve. Bom mesmo é ver uma jovem ter que tocar os livros por fraudas e se tornando mais uma infeliz por não poder produzir como individuo feliz e realizado com suas conquistas se tivesse a oportunidade de estudar sem ter uma criatura dependente dela 24 horas por dia. Não estou grávida e nunca fiz um aborto mais faria e apoio se a mão não tem condições financeiras e principalmente psicologicas de te-lo.

gorete da cruz disse...

ola
realmente este é um tema muito polemico.
ora vejamos muita gente diz NAO, mas atençao muita gente fala da boca para fora, talvez porque nunca estiveram em situações tao más.
sempre quiz ter um filho, sempre foi o meu maior sonho, mas quando engravidei a pessoa com quem eu estava, dizia nao estar preparada para assumir tanta responsabilidade de ter um filho, eu sem emprego, o pai nao queria comecei a ver a nha vida a andar para traz, nao ouve outra hipotese, chorei sofri, as vezes as pessoas que estao de fora nao pensam o que eventualmente a outra possa estar a sentir, é triste a pessoa ter que optar pelo aborto principalmente para a mulher, mas crime mesmo é pegar no teu bebe recen-nascido e atira-lo ao lixo, rio lagoas etc.

Anónimo disse...

Eu sou totalmente contra o aborto, e posso dizer isso com experiência, pq tive uma filha com 15 anos e mesmo com medo não optei pela solução mais prática. Sim, a educação que eu tive me ajudou nesta escolha, e me sinto realizada por ter essa forma de pensamento.
Não acho que as mulheres tem direito sobre a vida de outro ser, seria dar muito poder a outro ser humano.
Quando fiquei grávida, minha mãe disse algo que eu não esqueci: você tem que encarar o seu destino, essa é sua missão.
E hoje sou forte, segura e feliz por ter minha grande companheira ao meu lado (minha filha). Se algo semelhante acontecer com ela, eu vou passar a mesma lição que eu tive.
Nós mulheres merecemos muitos direitos, mas na minha opinião, o direito sobre a vida de outrem não nos cabe.